segunda-feira, 30 de julho de 2012

Machismo virou esporte olímpico?


Veterana, medalhista de ouro,
em sua QUARTA olimpíada

Mal começaram as Olimpíadas de Londres e o machismo que envolve a participação de mulheres em jogos já começa a dar sinais de presença. Algumas notícias nos chamaram atenção. Uma dessas notícias diz respeito à atleta Liesel Jones, nadadora australiana, que acusaram de estar fora de forma. A cobrança pelo corpo saradíssimo da nadadora revela machismo da imprensa e da sociedade, pois se o treinador dela afirma que ela cumpre uma rotina exaustiva de treinos, se estamos falando em uma profissional classificada para o maior evento de esporte do mundo (as fucking Olimpíadas!), quem somos nós para desmerecê-la por uma barriguinha? Será que as pessoas estão procurando barriguinhas nos atletas do sexo masculino? duvido muito.

Outra notícia é sobre a pressão do uso de biquínis nos jogos de vôlei de praia para chamar os espectadores. SIM, é isso mesmo que você leu. A FIBV, Federação Internacional de Vôlei, retirou a exigência do uso de biquínis no vôlei de praia. Mas teve até jornal fazendo campanha contra. Nem se preocuparam em dar uma desculpa para objetificar as mulheres. 

Essa objetificação passa pela desvalorização do esporte feminino. Não foram poucas as vezes em que ouvi, por exemplo, que o vôlei masculino é melhor que o feminino. Ou que o futebol masculino é superior ao feminino e etc. Então se o esporte feminino não tem tantos atrativos quanto o masculino, o que o torna viável, inclusive financeiramente? O corpo da atleta. Ao menos é isso que parece pensar uma parte da mídia esportiva, quando o esporte e a superação deveriam ser as estrelas dos Jogos.

E não são apenas as mulheres do vôlei de praia que sofrem com a objetificação de seus corpos, não. Em quase todos os esportes os uniformes femininos são menores e mais justos  que os uniformes masculinos (excetuando a natação). Aqui você pode ver o tom da matéria sobre Hóquei na grama, por exemplo.

Exemplificando melhor a desqualificação do esporte feminino, o jornalista Flávio Gomes da ESPN achou-se no direito de expressar a seguinte opinião em seu twitter:

É isso aí galera. E quando foi questionado por um amigo e leitor do Ativismo de Sofá, sua resposta foi essa:


Aparentemente, para gostar de futebol feminino é preciso ser mulher. E mais, ser mulher deve ser uma grande ofensa, né? A nossa colaboradora Thaís Campolina também se manifestou. A resposta do sujeito para todas as mulheres que se revoltaram com tamanho desrespeito?


Se você não concorda com ele e é homem, então você é "mulherzinha", se é mulher, é "feia". Cadê meu bingo das discussões com machistas?

Eu ainda não consigo acreditar que um jornalista possa demonstrar tamanho desrespeito por mulheres que estão cortando um dobrado para se manter num esporte que não dá espaço para mulheres (ao menos no Brasil), que é símbolo de masculinidade. Será que ele não vê o mérito das conquistas e do esforço diário dessas mulheres incríveis que apesar de terem ouvido a vida inteira que "futebol não é coisa de mulher", resolveram que amam esse esporte e que desejam quebrar esse paradigma machista? Como alguém pode não enxergar o grande mérito disso? Como alguém que vive de esporte consegue emitir opiniões como essa?

Infelizmente, essa é a mídia que cobre eventos esportivos. Aí alguém virá me dizer "mas nem todo mundo é assim, tem muita gente séria que não tem esse tipo de atitude..." . De fato. O problema é que tem muito mais gente machista no mundo, no jornalismo e em qualquer profissão. O que faz por exemplo o globo esporte, que é o programa esportivo mais popular do Brasil, criar uma eleição chamada "spice girls", onde diariamente são postadas fotos das atletas mais "bonitas" (dentro do padrão de beleza)? Machismo. Eleger musas é só mais uma forma de dizer para as mulheres que essa é a sua função é decorativa. É como dizer: "fica quietinha aí, flw? Você não é atleta, você só serve para o deleite masculino." Não acredita em mim? Preciso lembrar também daquela matéria para o globo esporte, há algum tempo atrás em que o repórter ASSEDIOU uma bandeirinha? Você não viu? Então assista nesse link, se conseguir.

Natalia Partyka, atleta polonesa de
tênis de mesa que competiu nas Olimpíadas
de Londres e competirá também nas  PáraOlimpíadas
Preciso desenhar o absurdo e o desrespeito que esse tipo de jornalismo é? É muito exigir um pouco de respeito pelas atletas que dedicam suas vidas ao ESPORTE? Cadê as notícias sobre os feitos dessas atletas, suas biografias, suas histórias de superação? Por que não podemos conhecê-las por aquilo que elas conquistaram?

Eu termino esse texto com uma imagem que ficou para sempre gravada na minha memória. O ouro olímpico da seleção feminina de vôlei em 2008. Seleção que chegou desacreditada, axincalhada e com fama de amarelar em grandes competições (obviamente uma fama criada e divulgada pela mídia que adora desqualificar o esporte feminino). O pedido de silêncio da Seleção, o cala-boca aos críticos está lá, registrado para sempre.

Update: A Natália Mendonça, colaboradora do Ativismo de Sofá, acaba de me informar que essa é a primeira vez na história das Olimpíadas que todas as delegações, inclusive as islâmicas, contam com mulheres. Está aí uma ótima notícia pouco abordada pela imprensa sedenta por musas.

74 comentários:

  1. "Será que as pessoas estão procurando barriguinhas nos atletas do sexo masculino?"

    Como diria o Zina, do Pânico:

    Ronaldo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah por favor. Um único caso e no futebol? A pressão sobre os jogadores de futebol é diferente de qualquer outro esporte. O futebol brasileiro TEM QUE SER o melhor do mundo. Acho isso ridículo, mas existe diferença de tratamento entre homens e mulheres nos outros esportes, sim.

      Excluir
    2. No esporte masculino, principalmente nos mais valorizados, como o futebol (que é cheio de altos salários, patrocínios e afins) há uma cobrança maior de capacidade física (o que em alguns casos significa ter o peso e a barriguinha discutida). Mas comparar essa cobrança com cobrança pra cima das mulheres é uma falsa simetria porque mulheres são valorizadas primeiramente pela beleza, enquanto os homens são valorizados primeiramente pela sua capacidade, né?
      E no caso do esporte ainda há o fator que as mulheres atletas são cobradas duas vezes: uma pela capacidade física que supostamente pode ser prejudicada pelo aumento de peso ou pela barriguinha e a outra é o quão o corpo daquela atleta pode ser sexualizado. (Tanto que a gente falou sobre a eleição de musas no texto!).

      A cobrança a respeito do corpo no esporte é altíssima mesmo, para os dois gêneros, mas se a valorização das atletas depende de quão atraentes elas são para nossa sociedade quer dizer que toda atleta é avaliada duas vezes, né? Pensem no tanto de críticas que várias atletas recebem por terem seu corpo "mais masculinizado". A gente não ouve ninguém falando que o corpo dos homens está "feminino demais", ouve?

      E na boa, falar que várias atletas mulheres são reconhecidas pelo talento não exime o jornalismo esportivo, afinal, ele é que elege musas, ele é que valoriza a beleza acima do talento para o esporte, no caso feminino.

      O esporte feminino é desvalorizado e invisibilizado pelo machismo e única forma que a mídia arrumou para "vender" o esporte é valorizando as atletas só pela beleza, o que continua dentro da lógica machista, afinal, lugar de mulher para o patriarcado não é os jogos olímpicos, né? (E ai ao invés de julgar as atletas pelas medalhas e campeonatos conquistados, eles julgam se está dentro ou não do padrão de beleza).

      Excluir
  2. O jornalista além de desvalorizar o futebol feminino como fez, usar "mulher" como xingamento e chamar todas as mulheres que se manifestaram contra o que ele fez de feias.

    Ele ainda trollou as manifestantes oferecendo "flores ou poemas" para quem reclamava, ou seja, ele reafirmou que mulheres que reclamam o fazem por não terem quem dar flores e afins para elas. É tipo uma releitura do mal amada e do mal comida.

    ResponderExcluir
  3. excelente texto! fiquei sabendo desse caso do jornalista e me decepcionei muito com o fato da ESPN, que diz que é uma grande apoiadora do futebol feminino não ter chamado atenção dele.

    A carta capital publicou um texto sobre o machismo no jornalismo esportivo! olhem e quem sabe linkem no texto: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/os-jogos-olimpicos-do-machismo/

    gostei da reportagem, apesar de ter achado que rolou uma certa culpabilização das atletas que posam nuas, porque a gente sabe que não é elas que querem se exibir nuas, mas sim a mídia e a cultura que só valoriza mulheres esportistas pelos seus atributos físicos.


    Mari

    ResponderExcluir
  4. Ótimo texto e excelentes críticas.

    ResponderExcluir
  5. Texto simplesmente fantástico! Meus parabéns

    ResponderExcluir
  6. Sem autorização para a defesa, mas eu assisti ao programa em que o flávio gomes fez um comentário sobre futebol feminino e em nenhum momento ele foi ofensivo nesses termos, só opinou que financeiramente o esporte não é viável e que ele acha feio o jogo. Concordo com você totalmente na questão dos uniformes, mas também não acho futebol feminino um esporte bonito de ver, da mesma forma que não gosto de MMA e vários esportes, mas é só um gosto pessoal, sem sexismo embutido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso gosto pessoal tem muito sexismo, racismo, elitismo embutido. Mesmo que a gente não saiba.

      Se nossa cultura coloca o esporte feminino como inferior, diz que "jogar bola não é coisa de mulher", desvaloriza os esforços das atletas, invisibiliza o trabalho delas elegendo musas, como se mulheres não servissem para fazer esportes é previsível que as pessoas achem o futebol feminino "um esporte que não é bonito de se ver". A gente é completamente condicionado a desvalorizar as mulheres que saem de seus papéis de gênero. E mulher atleta foge dos seus papéis, principalmente quando é atleta de esportes como futebol, rugby e outros.

      A única maneira de desgostar do futebol feminino sem ser sexista é desgostar da modalidade FUTEBOL em si. Se gosta do masculino e não gosta do feminino... Ixi... Machismo detected.

      Entenda: desvalorizar um esporte de um grupo vulnerável é contribuir pra invisibilidade e pra desvalorização dele. Não importa se é com "desculpas" de que não gosta da modalidade, sabe?

      Excluir
    2. em nenhum momento eu quis desvalorizar o esforço das atletas, nem disse que elas não deveriam praticar o esporte, só não acho bonito ou agradável de se assistir, é só meu gosto pessoal

      Excluir
    3. "A única maneira de desgostar do futebol feminino sem ser sexista é desgostar da modalidade FUTEBOL em si. Se gosta do masculino e não gosta do feminino... Ixi... Machismo detected."

      Eu não sei se a autora do comentário acompanha esporte ou se apenas se baseou na sua ideologia para fazer esse comentário, mas a questão é que ele não faz nenhum sentido. Primeiro, porque a diferença técnica entre o futebol masculino e o feminino (e o vôlei, e o basquete...) é completamente abismal. Todos nós sabemos que homens são fisicamente muito mais fortes, velozes e afins, mas junta-se a isso toda uma característica do jogo. Futebol feminino é um jogo feio tecnicamente, é um jogo que não agrada, e é daí que vem o comentário do Flávio Gomes, por exemplo. Um jogo masculino da quinta divisão do campeonato paulista é muito melhor de ser assistido do que um jogo de Copa do Mundo feminina.

      Porém, é evidente que o esporte tem que ser incentivado. Só não se pode confundir as coisas. Não é machismo dizer que o futebol masculino é muito superior ao feminino, isso é um fato inegável. Por isso, é justificável que alguém goste apenas de ver futebol masculino. Por outro lado, o incentivo à prática e o investimento no esporte tem que ser feitos, em qualquer modalidade e gênero. Provavelmente nunca essa diferença técnica será desfeita, mas o esporte é, além de tudo, excelente como inclusão social.

      Excluir
    4. Se o futebol masculino é melhor que o feminino isso acontece por que ele nunca foi valorizado, então por isso que ele é assim mais precário.
      E eu não acho isso verdade da quinta divisão não chega nem aos pés da Copa do Mundo.
      A diferença não é técnica, é que são pessoas diferentes jogando, vai ser diferente óbvio, mas não quer dizer que é "feio".
      Sem contar que elas tem que ter o dobro de esforço que um jogador masculino.
      Esse é o mesmo tipo de pensamento quando zombam de um menino que não gosta de futebol.

      Excluir
    5. O machismo se infiltra nas nossas mentes de maneiras que não percebemos. Acredito que você não goste de futebol feminino por não achar "bonito" de assistir. Mas não é possível afirmar que isso não é reflexo do machismo.
      Perceba que eu não estou dizendo que vc bate em mulheres. Só que o machismo contaminou sua visão do futebol feminino.
      Acho importante quando há este questionamento de pessoas que não se acham machistas. Às vezes percebemos coisas que estão contaminadas pelo machismo, e então podemos mudá-las, se quisermos.

      Eu jogava futsal no colégio e gosto de futebol, mas só de futebol alemão. Acho futebol brasileiro muito tosco, apesar de saber que a Marta joga muito bem e que o Neymar parece a maior revelação, recentemente.
      Mas prefiro mil vezes futebol alemão. Inclusive o futebol alemão feminino.
      Se você gosta de futebol, recomendo que pesquise como funciona o futebol na Alemanha. Ele é o mais limpo de todos, no quesito corrupção. E meus clubes favoritos tem histórias incríveis, como oposição clara ao regime nazista na época da segunda guerra (Bayern München) e oposição clara a qualquer tipo de preconceito: racismo, machismo, homofobia (St. Pauli).
      Talvez se vc assistir um jogo da seleção feminina de futebol da Alemanha, não ache feio. Mas aí, lembre-se de considerar que lá elas recebem muito mais incentivo do que no Brasil, por exemplo. Apesar de ainda nem se comparar com o incentivo do futebol masculino.

      Excluir
    6. Minha cara, eu conheço futebol de todos os cantos e acompanho assiduamente, por isso disse tudo o que disse. Inclusive o St. Pauli é um dos meus clubes favoritos, devido a toda sua história e resistência. Isso não muda nada o que eu disse, e qualquer time da quinta divisão do campeonato paulista venceria sem dificuldades a seleção alemã feminina de futebol (que, aliás, está em má fase e nem se classificou para as olimpíadas).

      Excluir
    7. Na minha opinião, a questão que torna o futebol feminino "menos agradável" aos olhos do torcedor masculino é exatamente a simetria das regras aplicadas às partidas entre homens e mulheres.

      Por uma questão de diferença entre os organismos masculino e feminino, no jogo dos homens é mais presente uma questão física, que muita gente aprecia e não encontra, no mesmo nível, no feminino. Exatamente por haver uma diferença física, existe quase uma impossibilidade de que uma mulher possa, fisicamente, repetir a performance de um jogador, e o exemplo mais claro disso se dá em relação às goleiras: ora, não como exigir que as mulheres possuam envergadura, impulso e altura semelhantes às dos goleiros do sexo masculino. Só que essa diferença não é compensada por uma regra desigual, que seria, por justiça, uma baliza menor no futebol feminino. Daí se ver tantas vezes goleiras que levam gols por cobertura, ou que, mesmo saltando, não passam nem perto de certas bolas... Provavelmente, com maior incentivo à modalidade e ainda mais prática, o desempenho das goleiras melhoraria razoavelmente, mas ainda assim não vejo como possível o futebol feminino ser tão atraente quanto o outro, se disputado em campos com dimensões pensadas para homens, com regras pensadas para homens. Mudanças pontuais, creio, maximizariam a performance feminina e contribuiriam para uma abertura do futebol para mais mulheres.

      Excluir
    8. Eu só vou dizer uma coisa: só essa valorização extrema do modo de jogar masculino e da "força masculina" já mostra o problema claramente: misoginia. Tudo que tem a ver com mulher é visto como ruim e inferior ao que é feito por homens. A diferença de força física entre mulheres cis e homens cis existe, mas isso não impede o futebol delas de ser criativo, bem jogado e bonito de se ver. A questão é que vocês só valorizam o que é masculino. E não pensam e coisas óbvias como o fato de vocês e toda a sociedade valorizar muito mais tudo que é masculino coloca essas mulheres esportistas em desvantagem, porque elas não recebem tanto patrocínio e muitas delas trabalham com outra coisa além de serem atletas porque a grana do esporte não dá nem para viver.

      Vocês curtem ver as jogadas dos grandes craques do futebol masculino do passado? Assistem vídeos da época e acham as jogadas criativas, que demonstram talento, não é? Então, nessa época o futebol não funcionava como hoje e não tinha tanto treinamento para desenvolver força física e demais atributos. E todo mundo achava esse futebol bonito de se ver, né? E inclusive existem muitos saudosistas dessa época que reclamam que o futebol hoje é só treinamento físico e zero talento, não é? Então, o futebol feminino, pra mim, é mais espirituoso, mais criativo, tem que dar seu jeito pra jogar, coisa que a gente não vê mais no futebol masculino. Eu gosto de ambos e não vejo nada de ruim no fato do futebol feminino ser diferente do masculino. Parem com essa misoginia, sério.

      Excluir
  7. As mães, mulheres, são talvez as principais perpetuadoras do machismo na sociedade. Por que não vemos esse tipo de discussão no meio "feminista"? A mãe daquela atleta sem o braço, que aliás é uma musa (toda mulher quer ser, nem que seja pra um homem só), poderia dar uma aula pra muitas outras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sério que você não vê discussões sobre o motivo das mulheres perpetuarem o machismo? Olha, essas discussões existem. Mas garanto à você que elas não são as principais perpetuadoras, elas são é as principais oprimidas. A mulher machista é aquela que aceitou de tal forma a opressão que não vê que outra realidade é possível. Jamais jogarei sobre elas a culpa pela manutenção do patriarcado.

      Excluir
    2. E não, mulheres não querem ser musas, nem todas sequer querem um homem. E seu comentário foi bem machista e heteronormativo.

      Excluir
    3. oi, só passei aqui pra dizer "toda mulher quer ser musa, nem que seja pra um homem só", oi? se esta falando no sentido da sexualidade (pq a "musificação" das mulheres no esporte nada mais é que pura exploração do potencial sexual delas), então foda-se mulheres lésbicas né? e mulheres hetero e bi, sim, eu quero muito muito muito ser uma musa (isso é sarcasmo). e eu sempre desconfio de comentários do tipo "não se vê tal discussão" cara, na boa, vc que não procurou, tenho certeza, e outra, a discussão principal é como a gizelli mencionou, o que torna essas mulheres "machistas". mulheres oprimidas, que tal se informar antes de achar que sua opinião se sobrepõe às outras? (Arix)

      Excluir
  8. Olha, eu adoro futebol, tanto para assistir, quanto para jogar. É meu passatempo três vezes por semana.

    Mas, como o comentarista, tb não gosto de assistir futebol feminino. A diferença física entre homens e mulheres faz com que se pareçam até esportes diferentes.

    Talvez se reduzissem as dimensões do campo, do gol e o peso da bola, as mulheres conseguiriam jogar um futebol com nível técnico mais interessante. Algo do tipo já ocorre no volei, que tem uma rede mais baixa para as mulheres.

    De qualquer maneira, não acho que a pessoa não gostar de assistir futebol feminino a faça, por si só, um machista. É simplesmente gosto.

    Tem modalidades que eu gosto mais de assistir a categoria feminina, como por exemplo a ginástica olímpica, em que os exercícios são muito mais graciosos, tendo em vista a elasticidade maior do corpo feminino.

    Por fim, quem pratica esporte, tanto homens quanto mulheres, tendem a ter corpos definidos e bonitos. Inevitável que não chame atenção a beleza de uma linda mulher de biquini jogando volei.

    E as mulheres tb fazem desse tipo de reparo. Para o meu desgosto :-), durante a copa do mundo, acho que vi mais de uma reportagem falando das coxas dos jogadores, por exemplo.

    Pq ser tão sério? As mulheres geralmente gostam de ser admiradas TAMBÉM por sua graça.

    Beijo a todas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. zzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

      Excluir
    2. WHY SO MACHISTA?

      Excluir
  9. Vergonhosa a matéria do globo esporte. A forma como ele fala faz parecer que a importância da bandeirinha é apenas a da sua beleza, sem dar nenhuma credibilidade ao trabalho dela. Gostei da resposta do jogador: "não reparei não, mas o que importa é que ela faça um bom trabalho pra ganhar credibilidade". BOA!

    ResponderExcluir
  10. Tha, achei SUPERFODA o jogador do corinthians falando de cara: "sinceramente não reparei, o importante é que ela faça um bom trabalho pra ser reconhecida".

    TOMA ESSA NA CARA, REPÓRTER BOÇAL!!!

    Lucy T.

    ResponderExcluir
  11. Não é vergonhoso nem culpabilizável o fate de uma ou mais mulheres posarem nuas/sensuais.
    Sensualidade é parte do ser humano, seja homem ou mulher.
    Explorar esta ferramenta é um "direito" de quem a possui.
    O problema é resumir.
    É enfocar apenas as bonitinhas, magrinhas, loiras e de olhos claros como sinônimo de beleza.
    Isso é desprezar não só as demais pessoas/atletas, como a própria "musa", que não tem "culpa" de ser bela, e passa horas diárias treinando, se privando e competindo, para que tudo seja esquecido frente à aparência física.
    Quanto à comparação entre o futebol feminino de nível e o de várzea ...lamentável.
    Há tempos o a pessoa não assiste uma competição da terceira divisão, onde os competidores não correm, mal chutam, e não conseguem sequer terminar um drible.
    Machismo detected. E preferir a graça e a leveza forte das moças da ginástica olímpica, sinto muito, mas é machismo tb!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ué, se prefiro futebol masculino, sou machista.

      Se prefiro ginástica olímpica feminina, tb sou machista.

      Então, pra não ser machista não se pode ter quaisquer preferências?

      Que mal haveria em apreciar asistir jogos de futebol com técnica mais apurada, ou ter mais deleite e admiração em ver movimentos de ginástica feminina, muito mais suaves e elegantes?

      Excluir
    2. Quero te chamar de anta, mas não vou fazer isso. Deixa eu te explicar, você disse que gosta mais da ginástica olímpica feminina porque mulheres são mais graciosas em seus movimentos. Então, você gosta da ginástica olímpica feminina mais do que a masculina porque você resume mulheres a serem GRACIOSAS. PENSE BEM NISSO.

      Você valoriza o futebol masculino mais do que o feminino porque você acha que mulheres não tem tanta capacidade para o esporte e os homens tem. E valoriza o outro esporte pela graciosidade dos movimentos. AH VÁ, tá claro o que você pensa: Homens são valorizados pela capacidade e mulheres pela sua graciosidade (logo, beleza e afins).

      Excluir
  12. E eu usei esse post como referência para buscar os links para o http://jornalismopunheteiro.tumblr.com/

    ResponderExcluir
  13. Adorei o texto!!

    Aproveito pra passar o blog sobre mulheres do jornal espanhol El Pais. Ali tem mais sobre posturas machistas nos esportes.
    Afinal, como está no texto, eles são profissionais.
    http://blogs.elpais.com/mujeres/2012/07/la-deuda-de-londres-con-ellas.html

    ResponderExcluir
  14. ... e tantas outras desqualificações no feminino no mesmo evento. Como o caso da competidora Australiana (Seen Lee) que virou notícia por comparecer a prova de levantamento de peso sem depilar as axilas (o desempenho dela na prova nem sequer foi noticiado). Ou o caso da nadadora chinesa (Ye Shiwen) que quebrou o record mundial (masculino), e foi, sumariamente, acusada de 'doping'.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acompanhei esses fatos também, Guilherme, mas tinha escrito o texto antes. Ainda veremos MUITOS outros exemplos até o final das Olimpíadas, infelizmente. :(

      Excluir
  15. conferindo post do Jornalismo B me deparo com mais uma boçalidade machista da cobertura jogos olímpicos: Australiana compete com axilas peludas em Londres http://goo.gl/tkR2T Pra quem não entendeu eu vou desenhar: meu corpo, minhas regras..minha beleza não tem padrão. Pra quem quiser ler o post do Jornalismo B confira aqui http://goo.gl/VDmWh
    Além disso, compartilho postagem que fiz no FB dizendo "infelizmente o título da reportagem é machista e encobre material relevante que é ouvir a fala da atleta paraguaia: ela está competindo não necessariamente para ela ganhar medalha, mas para que outros/as atletas do paraguai também possam competir num futuro não distante...http://goo.gl/4N1a9" lembrei que tais portais de jornalixo esportivo, nos quais sua redaçao machista deve ter a brilhante ideia que: mulheres não se interessam por esporte, logo pra gente conseguir mais leitores, nada como fazer títulos bem machistas e boçais pra atrair mais boçais. #prontofale

    ResponderExcluir
  16. A mulherada tá dominando e babacas como esse Flacio aí, não estão aguentando esta realidade!!! Ó coitado!

    ResponderExcluir
  17. E em páises da Europa e outros, a mulher não depila as axilas. As nadadoras depilam para ter um melhor desempenho... Ai quanta babaquice!

    ResponderExcluir
  18. Vocês têm que ter cuidado quando afirmam que somente a beleza da mulher é valorizada quando o assunto é esporte, pois, isso ocorre também com os homens. Não estou defendendo os mesmos, mas é fato que tanto a mídia quanto a população também “repara” na beleza masculina, portanto, não sejamos hipócritas. Creio que não podemos generalizar que a mídia brasileira é machista e a preferência técnica por alguma modalidade feminina ou masculina seja alvo de crítica e seja tomada como postura machista. Sou mulher e sou apaixonada por futebol, mas no momento o futebol feminino brasileiro tecnicamente não me agrada, assim como a seleção masculina, que ultimamente não "joga bonito" como em outros tempos, e isso é uma opinião pessoal, é o que eu sinto quando assisto os jogos. Sendo assim, no momento eu afirmo que preferiria assistir um jogo da seleção espanhola masculina que a brasileira feminina (falo tecnicamente, pois amo minha nacionalidade). Aprecio todo e qualquer tipo de esporte, mas é biologicamente comprovado que os gêneros apresentam diferenças. Perdoem-me, mas é impossível afirmar que deve haver igualdade entre os gêneros. Isso leva ao desrespeito a diversidade e as diferenças entre as pessoas. Não acho machismo afirmar que a ginástica feminina é mais graciosa que a masculina, o que mais importa é o amor que os atletas possuem praticando o que gostam e sabem fazer. Portanto, muito cuidado com o desrespeito a cultura e opinião dos outros quando o assunto é preferência esportiva. Repito, não tem como haver igualdade entre os gêneros, temos que nos pautar em respeito, acredito que devemos respeitar o outro levando em consideração sua origem, sua cultura e seu gosto pessoal. Ah, e claro que a opção sexual também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Procure por "musa" no google. Depois venha me dizer que a beleza masculina é tão valorizada quanto a feminina. Não sou hipócrita, sou é bem realista, infelizmente. Homens tem a vantagem, ou o privilégio, de serem analisados primeiramente por sua capacidade. Mulheres antes de mais nada são peças decorativas. Estão sendo observadas e criticadas por sua beleza, não por sua competência. Quando a mídia objetifica homens, trata-se de uma exceção. E quando damos tanta visibilidade à exceção quanto à regra, acabamos por invisibilizar o problema QUE EXISTE DE FATO.

      Excluir
    2. E sim, quando se desqualifica um esporte unicamente pelo gênero, É MACHISMO, não tenho o menor cuidado em falar isso, estou bem convicta do assunto. Outra coisa, não é "opção sexual", é orientação sexual.

      Excluir
    3. Bom, o mundo sempre esteve em constante transformação, e fico feliz em saber que a mulher está abrindo a sua mente e buscando suas conquistas, o que serve de inspiração para todos. Desse modo, penso que a mulher está sendo sim valorizada. Caramba, as mudanças são gradativas. A senhorita está esquecendo que a sociedade não muda de uma hora para outra e em pouco tempo o gênero feminino conseguiu numa grande escala mostrar sua capacidade e conseguiu maior respeito. Além disso, hoje o homem também se apresenta como símbolo sexual muito mais que no século passado, o que é uma mudança bastante significativa no quesito midiático, sendo mulheres como principais consumidoras e/ou telespectadoras (além dos homens gays). Portanto, eu assumo que apresento uma visão mais positiva da realidade feminina. Infelizmente a valorização das qualidades femininas (exceto beleza) não é como esperamos que seja, mas o que mais importa é que conquistamos muito valor social e teremos forças para agregar ainda mais valor na sociedade. Sou positiva porque sou nordestina e sei que muita gente nos interiores da minha região não sabe o que é o papel social da mulher, mesmo assim, dos anos 20 para cá, nossa sociedade mudou muito, tudo graças às leis e principalmente a ampliação da educação. Não estou dizendo que está tudo perfeito, mas estou valorizando nossa mudança.

      Excluir
    4. Uma dúvida: então quando eu admito que prefiro assistir o judô feminino ao masculino, estou sendo feminista? Por favor, estamos esquecendo de considerar as especificidades de cada ser humano, nossos gostos pessoais, nossa ideologia, nossas emoções. Talvez eu seja uma sonhadora, mas acredito que se nós mulheres conseguimos mudar nossa postura, abrir nossa mente e lutar por respeito, eu creio também que gradativamente os homens poderão e podem mudar e aceitar a nossa mudança. Imagino que isso seja possível por que nós somos seres humanos e pensantes, se a mulher teve e tem a condição de mudar sua postura na sociedade, o homem também tem cérebro, também cumpri o seu papel social e possui sim condições de respeitar a mulher com suas qualidades e seus defeitos.

      Excluir
    5. Anônimo, quando uma pessoa afirma que não gosta do esporte feminino porque é feio, porque mulher é menos capaz ou qualquer merda do tipo, a pessoa baseia seu gosto pessoal numa cultura machista, entendeu?

      É muito fácil ter gostos pessoais comuns ao senso comum, entende? E a gente tem que se questionar a respeito das nossas escolhas, gostos e afins porque se a gente é fruto de uma sociedade que discrimina diversos tipos de pessoas, provavelmente nossos gostos, pensamentos e afins estarão um pouco de acordo com a ideologia dominante.

      Gostar do esporte feminino não faz ninguém feminista. E detalhe: o emprego da palavra feminista no seu texto me parece incorreto, porque parece que você acha que preferir o esporte feminino em algumas modalidades é comparável com o machismo de afirmações como "odeio futebol feminino, é feio, mulher é muito ruim"

      Excluir
    6. " o emprego da palavra feminista no seu texto me parece incorreto"
      Por favor, leia o que eu escrevi antes de dizer certas coisas. Pois quando eu menciono: "Uma dúvida: então quando eu admito que prefiro assistir o judô feminino ao masculino, estou sendo feminista?" não é com a intenção de afirmar nada, muito pelo contrário, mas é porque a senhorita Gizelli falou que era MACHISMO eu afirmar que prefiro tecnicamente o futebol masculino espanhol que o feminino brasileiro. Agora engraçado, alguém como eu, que prefiro o judô feminino ao masculino, e futebol masculino ao feminino, DEVERIA ser considerada machista e feminista ao mesmo tempo. Foi esse o meu questionamento. Por que se eu preferir alguma modalidade masculina, estou tomando uma postura machista? Não falo só do futebol.
      E outra coisa, eu já fui praticante de futebol e repito: sou mulher. Se você entendesse alguma coisa do assunto, talvez entendesse o que estou falando. Tecnicamente (atualmente), a seleção brasileira de futebol feminino não me agrada, então tente reconhecer que no meu caso, eu não prefiro o futebol masculino por conta da cultura machista e sim pela técnica (claro que eu não estou falando que a série B do Brasil seja melhor que a seleção feminina, jamais).
      Além disso, queria ressaltar que ninguém aqui está falando (pelo menos não eu) que o esporte feminino é feio, muito pelo contrário, fico muito satisfeita com os resultados e a evolução das mulheres no esporte, mais pela própria superação de cada uma. Claro que nem todas apresentam boa fase constantemente.
      Sério, eu percebo um tom muito negativo em suas colocações, apesar de achar que tem a mente aberta, sua mente é fechadíssima. Leia com os olhos um pouco mais livres, antes de tomar posturas ofensivas com os outros. Acho interessante valorizar um pouco mais as conquistas femininas do passado e reconhecer o respeito que já estamos alcançando. É óbvio e parece que você não percebe que o mundo muda gradativamente, não queira mudar as mentes das pessoas de uma hora para a outra. Infelizmente a cultura brasileira ainda é machista, mas as leis, a educação e até certos veículos de comunicação já estão conseguindo difundir uma ideia mais forte da mulher.
      Ah, mais uma coisa: quando uma opinião pessoal divergir ao senso comum, ela não será melhor que qualquer outra que corresponda ao senso comum. Ela será diferente. E a senhorita não pode discriminar uma visão, ideologia, ou opinião de ninguém baseada nas suas.
      Ah, para a Gizelli( é que havia me esquecido): o termo opção sexual não está errado.

      Excluir
    7. Eu joguei futebol por muito tempo, eu amava, mas parei por não ter como (lugar, companhia e afins) jogar por ser mulher, passei parte da minha vida acompanhando o campeonato brasileiro, inglês e espanhol, joguei fm, cm, elifoot, brasfoot. E adivinha? Todos esses jogos você controla times masculinos. E eu parei de acompanhar porque, na boa, desanima demais. Você empolga pra chegar lá e ver homofobia, machismo e racismo nas torcidas, você empolga pra ver as mulheres serem apenas musas e lá vai balde de água fria.

      O sucesso do futebol masculino não é puro e simplesmente por causa de técnica excelente, por causa dos homens serem mais altos e mais fortes, em geral, é por causa dos altos patrocínios que tem para os times de futebol masculini. A técnica tão admirável no futebol masculino se desenvolve bem mais que a do futebol feminino por causa do machismo na estrutura da sociedade, que coloca o esporte feminino como algo menos importante, menos impressionante e afins.

      Quando uma pessoa fala que "futebol feminino é feio" ou "futebol feminino deveria ser extinto do mundo" ou mesmo "mulher e futebol não combinam" são afirmações machistas sim. O texto fala sobre uma afirmação machista pra caralho de um jornalista esportivo (que fala mais de automobilismo, mas foda-se, ele é influente e fez um desseviço ao esporte feminino). Quando uma pessoa vira e fala "amo futebol, mas odeio ver mulher jogando bola" e não aponta a falta de patrocínios, de estrutura para as atletas, de lugar para treinar, incentivo e afins, a pessoa ataca o esforço delas, entende?
      Não tô falando que você afirmou essas frases comuns, mas tô falando que quando uma pessoa fala que não gosta de futebol feminino porque mulher é ruim nisso soa machista e nem tem como não soar.

      Você não entendeu meu ponto e foi bem arrogante falando que eu não entendo do assunto. Pense assim: se você acha que mulheres praticando esportes como ginástica "é gracioso", você tem que pensar nas origens disso. Existem papéis de gênero que colocam que mulheres devem ser femininas, ter movimentos graciosos e serem bonitas. A ginástica artística feminina tem música, porque mulher "dançando" é algo bem visto dentro dos padrões de gênero. Enquanto a ginástica artística masculina não tem música, porque é como se a "dança" fosse algo fora do padrão de gênero masculino.

      Esses padrões de gênero são definidos culturalmente e ajudam a gente a formar nossos gostos pessoais e afins. Ai uma mulher que faz um esporte "não feminino", "não gracioso" não é considerado algo legal, é considerado algo feio e é mais desvalorizado pela sociedade.

      Não tô dizendo que todo mundo que prefere o masculino ao feminino em alguma modalidade tá sendo machista, mas provavelmente tem a origem no machismo sim.

      Excluir
    8. Perdão pela arrogância, mas é que foi inevitável me exaltar com tanta negatividade. Mas, enfim, mesmo com as imposições da sociedade, ainda acredito e valorizo a opinião pessoal do ser humano. Todos têm a plena capacidade de julgar o que nos é imposto e desenvolver nosso senso crítico.
      Infelizmente, os patrocinadores querem "atrair a maioria", o que realmente desvaloriza o futebol feminino. Mas, mudar totalmente a conduta do povo não é algo fácil, principalmente para as classes menos favorecidas com educação. É uma mudança a longo prazo. Temos que ter paciência e sangue frio para "esperar" que a população (brasileira) abra um pouco mais a mente. Creio que reclamar tanto não faz efeito. O que provocou uma mudança significativa no posicionamento da mulher na sociedade foram ações. Essas reclamações acabam "deixando de lado" toda a luta que a mulher enfrentou até hoje. Já é uma grande vitória, a mulher da sociedade brasileira jogar futebol. Esse preconceito diminuiu muito, até mesmo entre as mulheres (heteros), que no século passado tinham medo se tornar masculinizadas para a sociedade.
      Antes, éramos obrigatoriamente dependentes dos maridos. Hoje, nem precisamos deles economicamente e/ou afetivamente. A lei está do nosso lado. E quando estamos competindo numa competição esportiva (principalmente do porte das olimpíadas) desenvolvemos o sentimentalismo de pátria nos brasileiros. Isso é algo positivo, que valoriza ainda mais a mulher. Somos humanos. Quando a seleção feminina de volei vence, todos nós vibramos, homens e mulheres (e não queiram dizer que os homens só reparam na beleza).
      Eu, sinceramente não suporto os termos machismo e feminismo. Os homens e as mulheres tem corpos diferentes, mentes diferentes e consequentemente capacidades diferentes, isso é inegável. Mas, para algumas pessoas é difícil admitir isso. De um modo geral a mulher tem mais facilidades em algumas coisas e o homem em outras . Só que essa brincadeira de um querer ser melhor que o outro, ultrapassou muito qualquer limite de respeito à diferença, respeito à própria biologia.
      Ah, e aquele ou aquela exceção natural, aqueles que superam os limites de cada gênero, são apenas exceção e não a regra.
      Pô, que saco isso de dizer que tudo tem origem da porcaria do machismo. Não estou “brigando” com você, mas é que essa palavra me irrita profundamente. Sabemos muito bem a definição do machismo e sabemos também do nosso passado histórico machista. Caramba, viemos de uma cultura machista e é algo que não dá para apagar do nosso presente e nem do nosso futuro. Mas, podemos e estamos modificando isso. Por tanto (para reforçar), não é machismo preferir alguma modalidade por gênero. É admirar e respeitar as qualidades do outro. Acho que essa vontade de provar que a mulher pode lutar ainda mais faz com que algumas pessoas desqualifiquem o outro gênero.

      Excluir
  19. Achei este artigo do jornal Metro que é incrível, mostra muito bem a distinção que fazem entre jogadores e jogadoras nas coberturas esportivas

    http://www.metro.us/newyork/sports/article/1148979--what-if-every-olympic-sport-was-photographed-like-beach-volleyball

    agora fui ler os comentários do artigo e é um facepalm atrás do outro...

    ResponderExcluir
  20. Caralho, vocês NÃO ACOMPANHAM ESPORTE, não sabem de porra nenhuma

    1)Qualquer esportista que aparece acima do peso é cobrado pela mídia e pelos telespectadores, principalmente no futebol, não há só o caso do Ronaldo e Adriano, mas quem acompanha futebol mesmo sabe que SEMPRE algum jogador é criticado pela forma, principalmente quando é recém contratado. Ecemplo: Obina que chegou do futebol chinês para o Palmeiras foi questionado sobre seu peso

    2) O GloboEsporte.com anualmente faz uma votação do jogador mais bonito do campeonato brasileiro, eles fazem uma votação por time primeiro, escolhem os 3 mais "bonitos" de cada time e por fim fazem uma votação com todos os 3 escolhidos de cada time. O mais votado é o mais bonito. Se vocês de fato acompanhassem as olimpiadas veriam que já fizeram comentários sobre a "beleza" de alguns atletas masculinos também, Cesar Cielo fez um ensaio fotográfico antes dos jogos, por exemplo

    Concluindo: a mulher não é perseguida nem seu corpo é "objetivado". Vocês simplesmente não vivem a realidade esportiva e nem fazem questão de se aproximar antes de criticar. A verdade é que o movimento feminista já não tem muito o que fazer, então começaram a criticar tudo sem fundamento, porque não querem cair no ostracismo. restou só uma meia dúzia de mulher mal comida falando bosta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na boa, cara, se você compara uma eleição que rola uma vez por ano com uma que rola em todos os portais da internet TODOS OS DIAS (sim, tem a eleição da musa do dia das olimpíadas), você não entende nada é de sociedade.

      Esporte é só um item que compõe a sociedade. Se você não consegue ver machismo na sua estrutura, na sua cobertura e nos comentários de vários fãs, você acha que entende de esporte, você entende das regras técnicas de um outro esporte e acompanha alguns times na tevê.

      Excluir
    2. "Vocês não acompanham esporte, não sabem de porra nenhuma"

      Anônimo que não aguenta ver mulheres se manifestando e tenta calá-las com mais machismo ainda, né? Chamar mulher de burra, falar que a gente não entende nada, principalmente de esporte, é machismo PRA BUCETA!

      Excluir
  21. Eu prefiro assistir vôlei Masculino e Futebol Masculino, a dinâmica é outra. Da muito mais gosto pra mim. Questão pessoal mesmo. Quanto a barriguinha da nadadora, atletas são cobrados por resultados, você acha mesmo que a mulher com aquele perfil vai conseguir um desempenho satisfatório? Pelo amor de Deus, vamos parar de ficar procurando pelo em ovo em qualquer coisa.

    Isso dai é típico de ativistas que nunca assistiram um esporte na vida e aproveitam da mídia que tem um evento como as olimpíadas em volta e começam a ventilar teorias da como a de que o GOSTO PESSOAL da preferencia por um esporte masculino ou feminino é embutido de preconceitos e o não conhecimento.

    Futebol feminino é feio comparado com o masculino e isso é FATO. Não tem nenhum machismo nisso, quem entende de futebol compreende.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Renato, grande sábio das montanhas iluminadas do esporte! obrigada por ter mostrado seu brilhatismo aqui, porque aqui só tem mulher e né, parece que nós somos burras demais pra entender de esporte.

      Entenda: quando uma pessoa fala que odeia futebol feminino porque é feito por mulheres é machismo ou até misoginia. Mas quando alguém fala que o futebol feminino é prejudicado por causa da falta de incentivo, patrocínio e afins, é apontar o machismo da sociedade que influencia na própria estrutura do esporte. Isso é ser realista. É apontar os problemas.

      "Quem entende de futebol compreende" que não tem como ser foda sem treinamento adequado, sem incentivo, sem patrocínio e sem valorização. Na verdade, qualquer pessoa que entende de esporte sabe como é foda treinar sem saber se vai ter dinheiro de patrocínio pra viajar pras olimpíadas. Esse problema, no Brasil, atinge vários esportes. Há praticamente apenas o futebol masculino que consegue treinar tranquilo e sem problemas financeiros.

      Mari

      Excluir
    2. O não incentivo ao futebol feminino na seleção servia de desculpa em 2004. Hoje não serve mais, elas passaram 2 meses na granja comary se preparando pra esses jogos, comendo filet mignon e todas ganham muito bem nos seus clubes fora do Brasil. Falta incentivo sim, nacionalmente. Já as atletas que estão na seleção não podem reclamar de NADA.

      Quanto à atleta australiana, ela não deve nada pra ninguém, é multicampeã na natação. Deve estar nessas olimpíadas só pra curtir mesmo.

      Agora vocês, que se julgam ter a mente tão aberta, levar a sério o reporter da espn quando ele diz "presidente do mundo", só mostra o tanto que a mente é realmente fechada nessa busca insana na procura de machismo em qualquer lugar. Ele não só achou-se no direito de expressar que não gosta de futebol feminino, como ele POSSUI esse direito. E quem viu o programa depois ele explicou os motivos, quem possui alguma sanidade percebeu que não houve falta de respeito em nenhum momento.

      No mais esse post só mostra que a autora acompanha algum esporte de 4 em 4 anos mesmo.

      Excluir
    3. Oi esportista super informado, essa é pra você: http://esportes.r7.com/blogs/rene-simoes/2012/08/04/falando-de-planejamento-pensamento-coletivo-e-futuro/

      Excluir
    4. Anon, quando o cara fala "presidente do mundo", ele tá fazendo uma piada, mas piadas carregam discursos políticos, logo é válido criticar. Estude um pouco sobre análise de discurso antes de encher o saco.

      Excluir
  22. É também a primeira vez que todas as modalidades são disputadas por mulheres também - inclusive o boxe.
    Continuem falando, machistas, algum dia seus olhos serão abertos.

    ResponderExcluir
  23. "A única maneira de desgostar do futebol feminino sem ser sexista é desgostar da modalidade FUTEBOL em si. Se gosta do masculino e não gosta do feminino... Ixi... Machismo detected."

    Na boa, isso não faz sentido.

    ResponderExcluir
  24. Se estão questionando a barriguinha da atleta, que está fora de forma, estão querendo saber se ela está treinando para uma olimpíada. E se realmente ela estiver treinando pq ela está com essa barriguinha? Não acha q ela precisaria procurar um médico??

    ResponderExcluir
  25. A respeito do volei, usa biquini quem quer, isso foi claramente explícito. Vamos parar de achismos. =)

    ResponderExcluir
  26. Para confirmar a teoria, assim que o vôlei feminino ganhou a medalha olímpica, levaram o Bernardinho para a seleção masculina! Teria alguma outra explicacão ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quero saber o que isso tem a ver? O técnico atual da seleção feminina também ganhou medalha com a masculina antes dessa troca. Pelo amor de Deus, vamos nos informar antes de sair lançando essas teorias à esmo como estão fazendo aqui.

      Excluir
  27. Leisel Jones (a nadadora lá de cima) e a equipe feminina australiana ganharam a medalha de prata no revezamento 4x100 medley.

    ResponderExcluir
  28. Eu acho sexismo uma coisa tão idiota. Eu acho para ambos os lados, eu sou homem, e acho uma idiotice quando eu vejo alguém querer desmerecer uma mulher simplesmente pelo fato de ela ser uma mulher, ou achar que não tem capacidade. O machismo existe sim... mas o femismo está em alta. (Femismo não é feminismo, assim como Machismo não é masculinismo). É um querendo provar que é superior ao outro, ou que "denegrir" o outro não tem importância, porque a sociedade não o julga de maneira tão severa em determinada coisa ou não. Sexismo, racismo ou qualquer outro tipo de pensamento preconceituoso se mostra completamente idiota, principalmente quando começamos a julgar com "Ah, se eu te tacar uma pedra não tem problemas porque você aguenta, agora se você jogar em mim não pode porque senão eu morro". Não se consegue igualdade lutando pela superioridade, e sim pela equidade em direitos e deveres, sem um querer se sobrepor ao outro por ter nascido assim ou assado, ou porque um pode suportar o outro, então eu posso atacá-lo de qualquer modo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, femismo está em alta mesmo... veja só, a cada 20 segundos um homem é espancado no Brasil OPS PERA.

      Excluir
    2. Desculpe Paula, mas você quis concordar dizendo que o sexismo é errado, pois o espancamento de homosexuais é uma forma bem tosca de sexismo... ou quis dizer que apenas o sexismo com violência é errado? Não entendi sua posição, você acha que o femismo é correto, por não utilizar da violência física? Não entendi onde você quis chegar com sua ironia tosca!

      Excluir
  29. tah tudo correto no texto menos a parte da Musa,tbm elegem o Mais bonito da Olimpíadas copa do mundo masc., eurocopa...igual o feminino...o

    ResponderExcluir
  30. eu gst mto feminino ,mas com ctz ainda é inferior tecnicamente ao masculino...mas isso tmb é evidente,todo esporte é um processo no fut feminino ainda tem que ser treinado algumas coisas afinal agora que começou a evolução do esporte ..daqui alguns anos quem sabe...o futebol feminino deve lembrar o masculino do passado q fazia sucesso pois ñ tinha o futebol de hj pra ser comparado...além disso acho q a baliza tem q ser menor pra meninas assim ajudaria um pouco as goleirs q 170-180 as vzs n alcançam as bolas.

    ResponderExcluir
  31. Estou lendo algumas coisas que não concordo. Quanto ao fato da nadadora estar fora de forma. Sim,geralmente essa questão da forma é justamente como o atleta vai deslizar na água, o impacto, o peso e o esforço. Machismo aí eu não vi.Se fosse assim coitado do Eric Moussambani, da Guiné Equatorial hein? Alguém lembra? Quase morreu afogado em Sidney. Assim como não é nada machista e isso foi comentado por todos o tamanho das goleiras de futebol feminino. Me desculpem, sou homem, tenho 1,72 de altura e acho ridículo as goleiras do futebol feminino terem a minha altura. E não é machismo meu, é uma questão lógica. Eu, nunca pude jogar futebol de campo, só salão. Com 1,72 é extremamente penoso defender um gol de 7,35 de largura por 2,44m de altura. Chutes fortes e no canto são a solução, então as goleiras não chegam nunca, dá pena isso. Apenas algumas seleções que já se deram conta disso convocaram garotas com 1,80m que é viável. E sim, 8cm faz muita falta. Quanto ao võlei de praia, o Emanuel por exemplo jogou com roupa de neoprene se não me engano em vários jogos e ninguém falou nada.
    Agora a comparação do Vôlei Masculino com o feminino é técnica. A minha filha joga volei de quadra. E de tanto vermos jogos vemos o seguinte: O vôlei feminino utiliza-se de objetivos técnicos na quadra. A exploração técnica é muito maior do que no masculino, onde o ataque é a melhor defesa, e no vôlei feminino o contrário a defesa é a prioridade em favor de um ataque de meio ou explorando as pontas quando a jogadora é alta. (continuo)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, eu tenho 1,50m de altura e nem por isso acho que posso ser goleira. Ninguém tá falando isso, afinal, existem mulheres bem mais altas que eu, que o anônimo, mas elas não jogam futebol, elas não querem ser goleiras, porque não tem incentivo, é um esporte considerado masculino, quem pratica sofre preconceito e não há nenhuma valorização. Afinal, cadê campeonatos de futebol feminino brasileiro? Então... Não faça as críticas lendo apenas uma linha do que foi dito. O que é machismo é achar que só porque o cara é homem e grande, o futebol dele vale mais a pena de ser assistido, entendeu?

      E cara, ninguém aqui tá falando que os esportes são iguais, a gente tá falando é que nós devemos valorizar os esporte de forma igual e não ficar destilando preconceito dizendo "só vejo esporte de homem, porque eles são mais altos e fortes". O vôlei feminino tem pontos diferentes do masculino, mas nem por isso se torna pior, sabe? São diferentes, legais de assistir...

      Excluir
  32. (continuando)Voltando a falar do peso, o colega acima falou de Ronaldo e Adriano constantemente cobrados por isso. Então não vou chover no molhado.
    Flávio Gomes: Genial comentarista da ESPN, cara super gente boa. Comunista e defensor até o fim da Lada. Ele é um cara gente boa. Só que tem as opiniões dele e odeia que seja pautado por quem quer que seja. Defende a opinião dele e com certeza, absoluta, defenderá a opinião deste blog até a morte. Já entrevistei o Flávio para o meu blog e posso dizer que é um cara muito legal. E fui até mesmo reler o post e vi que antes você também escreveu: "Exemplificando melhor a desqualificação do esporte feminino, o jornalista Flávio Gomes da ESPN achou-se no direito de expressar a seguinte opinião em seu twitter:" Ué, ele não pode ter o direito de expressar sua opinião? Se não gostou, acho que deveria denunciá-lo a ACEESP ou a ABRACE. Simples assim. E, para finalizar, falando de futebol, há alguns anos achei uma crônica do Ruy Castro sobre o tamanho dos shorts no futebol.
    Os shorts no futebol hoje, tem o tamanho dos da década de 1940. Mas e em 1970/80 que eram diminutos? Camisas coladas ao corpo. Simples. A Adidas fez uma pesquisa que descobriu que um grande percentual de mulheres não via futebol. Solução: Diminuíram tudo. Resultado 20 anos depois: O público feminino estava ativo no futebol. Logo, os calções e camisas a partir de meados de 1990 voltaram a ser grandes e largos como antes. Mulher vendo futebol, comprando ingresso, torcendo, também vende. E o capitalismo é idota? Não...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando a gente acusa alguém de machista, a gente não tá falando que ele é um monstro cruel que não pode ser gente boa e nem nada do tipo.
      E bom, eu posso dizer o contrário, ele pra mim não é uma pessoa legal, ele fez um desserviço ao futebol feminino, ele ao invés de tecer uma crítica sobre a estrutura do futebol feminino no Brasil, ao invés de falar sobre o pouco incentivo que muitas vezes se traduz em falta de técnica, ele só falou "isso pra mim não tem que existir, eca".

      E ao falar isso, ele recebeu críticas. E bom, ele ao invés de ser uma pessoa madura o suficiente pra entender que as críticas não eram exatamente pra ele e sim para o conteúdo do twitte dele, ele começou a destilar machismo (e ser um babaca).

      Bom, o Flávio Gomes começou a oferecer poemas e flores para as mulheres que se manifestaram contra ele, falou que todo mundo era feia. Ou seja, ele nos tratou como se fôssemos idiotas, como se não pudéssemos ter opiniões, como se nossas opiniões fossem fruto de falta de presentinhos, carinho e afins.

      Além disso, ele chamou o Henrique, um dos homens que criticou o twitte de mulher, como se isso fosse ofensivo demais. Um comentário misógino. Ele, como jornalista esportivo, ao expressar uma opinião dessas, faz um desserviço gritante ao futebol feminino e ao esporte feminino no geral. E pra completar, o modo que ele reagiu foi machista. E bom, anônimo, a gente fez diversas reclamações para a ESPN Brasil cobrando atitude dela. E não sei, mas pode ser que outras pessoas tenham ido além nas denúncias.
      Ah, outra coisa, ele incentivou o pessoal a ficar ofendendo quem ele "trollava". Eu fiquei umas duas semanas recebendo twittes de "vá lavar louça" e afins, o cara é """"famoso"""", ele tem que ter noção do que ele fala nas redes sociais. Se comportar como ele o fez diz muito contra ele.

      E sobre os shortinhos: bom, você fez uma falsa simetria gigantesca e ainda fez um malabarismo incrível pra fazer isso. Bom, os papéis de gênero culturalmente definidos colocam as mulheres com a função de cuidar da casa e dos filhos e os homens com a função de trabalhar, prover, viver a vida pública: seja política, econômica ou mesmo o próprio entretenimento. O esporte está na função do homem, então as mulheres não viam futebol não porque as roupas eram largas, mas sim porque mulher que via futebol era ofendida por causa disso. A mudança ocorreu porque o capitalismo obrigou que as mulheres burguesas começassem a trabalhar, então as funções ficaram menos "claras", o feminismo trabalhou pra contestar certos papéis de gênero e alguns anos depois, uma mulher gostar de ver esporte não passou a ser algo ridículo, no máximo hoje é visto como estranho. (Mas nesse post a gente vê que o preconceito ainda é enorme, porque todo mundo veio supor que nós mulheres estamos falando de um assunto que não entendemos, tá vendo?).
      Essa trajetória dos uniformes não são pra atrair público, são mudanças que visavam melhorar o rendimento dos atletas. (Tanto que hoje as camisas são de tecidos bem "leves", por exemplo).
      E agora: uma das funções sociais culturalmente definidas das mulheres é "enfeitar", "agradar os olhos masculinos". Essa função, após a "modificação de funções" que houve pelo capitalismo e afins, tomou muita força. As mulheres podem até fazer esportes e trabalhar, mas elas não são "capazes", elas são apenas musas. O trabalho delas para o patriarcado não tem valor, o que tem valor é se elas são bonitas ou não. Entende? E por isso há essa pressão para mulheres usarem roupas pequenas pra atrair audiência.

      Se a sociedade vê as atletas como, no máximo, enfeites, elas tem que se musificar para conseguir ter sua valorização dentro do esporte, ter sua modalidade assistida, por exemplo. E o que o capitalismo faz, incentiva as mulheres, em nome de patrocínio, a entrar nessa.

      Excluir
  33. Affffff volei de praia masculino : bermuda e camiseta
    volei de praia feminino : biquíni
    nojo define :/

    ResponderExcluir
  34. Olá, Gizele! Sei como é tudo isso que você diz. Trabalhei no Globo Esporte.com. E ser mulher e trabalhar em uma redação como essa é bem difícil. Eu propus uma série especial de videorreportagem (aquela coisa em que a gente é multifunção: cinegrafista, repórter, editora, produtora, etc), voltada para o público feminino. A ideia era justamente quebrar esse padrão e quebrar paradigmas em relação a como a mulher é retratada. Eu, inclusive, expliquei que há um grande público feminino que acompanha o site e o telejornal, e que não fazer algum produto voltado a ele, e que cause identificação com ele seria extrema burrice. Pois bem, cheguei a fazer umas duas matérias, e muitas vezes, foi tudo motivo de piada. O primeiro video ficou jogado no meio do site, sem nenhuma chamada, nenhum destaque, enfim, não ficou em editoria nenhuma. O segundo (sobre torcedoras) nem sequer foi ao ar. Tive que ouvir que os chefes não queriam ver mulher torcendo. Enfim... Sempre questionei essa idiotice de botar atleta de biquininho, sempre achei ridículo esse negócio de Musa do Brasileirão. Palavras de uma mulher que já trabalhou nessa redação.

    ResponderExcluir